Atmosferas Explosivas

Atmosferas Explosivas

Informativo sobre “Áreas Classificadas”

Todo local sujeito à probabilidade da existência ou formação de misturas explosivas pela presença de gases, vapores, poeiras ou fibras combustíveis misturadas com o ar (ou com O2).

Utilizando a norma 60079-10, temos: Zona 0/20 – É um local em que a atmosfera explosiva está presente de modo permanente, por longos períodos ou ainda frequentemente, sendo geradas normalmente por fontes de risco de grau continuo. Zona 1/21 – É um local onde a atmosfera explosiva está presente em forma ocasional e em condições normais de operação, sendo normalmente geradas por fontes de risco de grau primário. Zona 2 /22– É um local onde a atmosfera explosiva está presente somente em condições anormais de operação e persiste somente por curtos períodos de tempo, sendo geradas normalmente por fontes de risco de grau secundário.

Os equipamentos elétricos instalados em áreas classificadas constituem possíveis fontes de ignição devido a arcos e faíscas provocadas pela abertura e fechamento de contatos ou por super aquecimento em caso de falhas. Assim, estes equipamentos devem ser fabricados de maneira a impedir que a atmosfera explosiva entre em contato com as partes que possam gerar esses riscos. Por isso, esses equipamentos, conhecidos como equipamentos Ex, são construídos baseados em 3 soluções diferentes: 1) Confinam as fontes de ignição (da atmosfera explosiva) 2) Segregam as fontes de ignição (da atmosfera explosiva) 3) Suprimem ou reduzem os níveis de energia do circuito a valores abaixo da energia necessária para inflamar a mistura presente no ambiente. Assim, as soluções normalmente empregadas na fabricação de equipamentos Ex estão baseadas no princípio do confinamento, da segregação ou, ainda, da supressão, conforme tabela abaixo:

TIPO DE PROTEÇÃO SIGLA PRINCÍPIOS TIPO DE PROTEÇÃO SIGLA PRINCÍPIOS
À prova de Explosão Ex d Confinamento Intrinsecamente Seguro Ex ia / Ex ib Supressão
Pressurização Ex p Segregação Segurança Aumentada Ex e Supressão
Encapsulado Ex m Segregação Não Acendível Ex n Supressão
Imersão em Óleo Ex o Segregação Especial Ex s Especial
Imerso em Areia Ex q Segregação

Considerando que todos os produtos inflamáveis tem características e graus de periculosidade diferentes, os equipamentos elétricos para áreas classificadas na sua fabricação foram divididos em dois grandes grupos: Grupo I – São aqueles equipamentos fabricados para operar em minas subterrâneas. Grupo II – São os equipamentos fabricados para operar em indústrias de superfície. Considerando as substâncias inflamáveis presente neste tipo de indústrias, este grupo foi dividido em subgrupos: IIA, IIB e IIC. Grupo III – São os equipamentos fabricados para operar em indústrias com atmosferas explosivas de pós ou fibras combustíveis. Sendo subdivididos em: IIIA – Ambientes com fibras combustíveis; IIIB – Ambientes com pós combustíveis não condutores; IIIC – Ambientes com pós combustíveis condutores.

O subgrupo IIA inclui todos os derivados do petróleo, também conhecidos como elementos da família do Propano. O subgrupo IIB inclui todos os produtos do grupo C do NEC, também conhecidos como elementos da família do Eteno. O subgrupo IIC inclui o Hidrogênio e o Acetileno. Os ensaios feitos para seu enquadramento nesses subgrupos foram aqueles conhecidos como MIC e MESG, (para equipamentos Ex-i e Ex-d, respectivamente).

GRAU DE PERICULOSIDADE GASES / SUBSTÂNCIAS TÍPICAS
I Gás Grisú
II A Acetona, Amônia, Benzeno, Butano, Ciclohexano, Gasolina, Hexano, Propano, Tolueno, Xileno
II B Etileno, Ciclopropano, Sulfeto de Hidrogênio
II C Hidrogênio, Acetileno

Os equipamentos elétricos presentes numa área classificada podem se converter em fontes de ignição também por super aquecimento provocado por uma condição de falha. Portanto, a classe de temperatura do equipamento é uma informação fornecida pelo fabricante e confirmada pela Certificadora de que este equipamento, mesmo em condição de falha, não atingirá na superfície um valor acima da marcação, de acordo com a seguinte tabela abaixo:

CLASSE DE TEMPERATURA TEMPERATURA MÁXIMA
T1 450º
T2 300º
T3 200º
T4 135º
T5 100º
T6 85º

Grau de Proteção ou Índice de Proteção (IP) de um equipamento é uma informação fornecida pelo fabricante e confirmada pela Certificadora de que o equipamento em questão foi projetado para impedir a entrada de sólidos e líquidos no seu interior. Esta informação é constituida por dois dígitos, sendo que o primeiro dígito se refere às medidas que foram tomadas para impedir a entrada de sólidos no seu interior. E o segundo dígito se refere a líquidos. Esta é uma informação importante para equipamentos Ex, especialmente quando se trata de equipamenetos tipo Ex-d e Ex-e, estando estes dígitos detalhados nas tabelas abaixo:

Primeiro Dígito (refere-se à entrada de sólidos)

GRAU DE PROTEÇÃO

DÍGITO DESCRIÇÃO SUMÁRIA CORPOS QUE NÃO DEVEM PENETRAR
0 Não protegido Sem proteção especial
1 Protegido contra objetos sólidos de dimensão maior que 50 mm. Grande superfície do corpo humano como a mão. Nenhuma proteção contra penetração liberal.
2 Protegido contra objetos sólidos de dimensão maior que 12 mm. Dedos ou objetos de comprimento maior do que 80 mm cuja menor dimensão > 12 mm.
3 Protegido contra objetos sólidos de dimensão maior que 2,5 mm. Ferramentas, fios, etc. de diâmentro e/ou espessura maiores do que 2,5 mm cuja a menor dimensão > 2,5 mm.
4 Protegido contra objetos sólidos de dimensão maior que 1,0 mm. Fios, fitas de largura maior do que 1,0 mm, objetos cuja menor dimensão seja maior do que 1,0 mm
5 Protegido contra poeira e contato a partes internas ao invólucro. Não totalmente vedado contra poeira, mas se penetrar, não prejudica a operação do equipamento.
6 Toltamente protegido contra poeira e contato a parte interna. Não é esperada nenhuma penetração de poeira no inteiror do invólucro.
Segundo Dígito (refere-se à entrada de líquidos)

GRAU DE PROTEÇÃO

DÍGITO DESCRIÇÃO SUMÁRIA CORPOS QUE NÃO DEVEM PENETRAR
0 Não protegido Sem proteção especial
1 Protegido contra queda vertical de gotas de água. Protegido contra queda vertical de gotas de água.
2 Protegido contra queda de água com inclinações de até 15º com a vertical. Gotas de água caindo da vertical não prejudicial o equipamento (condensação)
3 Protegido contra água aspergida. Gotas de água não têm efeito prejudicial para inclinações de até 15º com a vertical.
4 Protegido contra projeções de água. Águas aspergida de 60º com a vertical não tem efeitos prejudicial.
5 Protegido contra jatos de água. Água projetada por bico em qualquer direção não tem efeitos.
6 Protegido contra ondas do mar. Água em forma de onda, ou jatos potentes não tem efeito prejudiciais.
7 Sob certas condições de tempo e pressão, não há penetração de água. Sob certas condições de tempo e pressão, não há penetração de água.
8 Adequando à submersão contínua sob condições específicas. Adequando à submersão contínua sob condições específicas.

Significa que o equipamento em questão foi fabricado para impedir a entrada de sólidos, como por exemplo, ferramentas, dedos e outros objetos maiores de 12 mm e também contra a entrada de água em forma de ondas ou jatos potentes.

Conforme Portaria do INMETRO nº 179 de 18/05/2010, todos os equipamentos elétricos instalados em áreas classificadas devem ser “certificados”. Esta certificação somente pode ser concedida por entidades credenciadas pelo INMETRO, conhecidas como OCP (Organismos de Certificação de Produtos). Nesta data, as entidades brasileiras credenciadas são BUREAU VERITAS CERTIFICATION do Brasil; CERTUSP; TÜV Rheinland Brasil; CEPEL; NCC Certificações do Brasil, UL do Brasil, ICBR e IEX. Assim, todo equipamento elétrico instalado em área classificada deve ser acompanhado do certificado correspondente e identificado com sua marcação no corpo do mesmo, claramente legível e indelével.

Baixe e imprima nosso Orientativo

Voltar ao topo